QC Sexo

Micropênis: causas e tratamentos – veja tudo aqui!

Micropênis é um termo usado para descrever um pênis que é 2,5 desvios padrão menor do que a média para a idade e a raça de um determinado indivíduo.

Isso se traduz em um comprimento do pênis esticado de menos de 1,9 centímetros no nascimento. Entre os adultos, um micropênis é definido como um comprimento do pênis flácido de 7 centímetros e um comprimento do pênis ereto de 12,5 centímetros.

Durante o desenvolvimento fetal, desvios podem ocorrer como resultado de uma aberração genética ou serem desencadeados por anormalidades hormonais.

Estatisticamente, o micropênis ocorre em 0,6% da população, tornando-se uma característica rara. O termo é mais comumente usado quando todas as outras estruturas dos genitais, incluindo escroto, testículos e períneo, são “normais”.

Algumas diretrizes definem essa condição da seguinte forma:

  • 6 a 12 meses: menos de 2,3 centímetros;
  • 1 a 2 anos: menos de 2,6 centímetros;
  • 2 a 3 anos: menos de 2,9 centímetros;
  • 3 a 4 anos: menos de 3,3 centímetros;
  • 4 a 5 anos: menos de 3,5 centímetros;
  • 5 a 6 anos: menos de 3,8 centímetros;
  • 6 a 7 anos: menos de 3,9 centímetros;
  • 7 a 8 anos: menos de 3,7 centímetros;
  • 8 a 9 anos: menos de 3,8 centímetros;
  • 9 a 10 anos: menos de 3,8 centímetros;
  • 10 a 11 anos: menos de 3,7 centímetros;
  • Adulto: menos de 9,3 centímetros.

Causas do micropênis

Um micropênis desenvolve-se durante a gestação e, muitas vezes, é a única anormalidade fisiológica observada na gravidez.

Uma das possíveis causas disso é a baixa produção de gonadotrofina coriônica humana (hCG) durante a primeira parte do estado gravídico. Este é um hormônio que estimula os testículos em desenvolvimento a produzir testosterona.

Após 14 semanas, o crescimento do pênis cai sob a influência de outro hormônio, conhecido como hormônio luteinizante (LH). Este também estimula a testosterona nas chamadas células de Leydig dos testículos. Se a produção de um ou ambos os hormônios fetais for impedida, o comprimento do pênis da criança pode ser afetado.

A genética também pode desempenhar um importante papel. Embora não exista um único gene que cause um micropênis, a condição é comumente relacionada a distúrbios cromossômicos, como a:

  • Síndrome de Insensibilidade a andrógenos;
  • Síndrome de Klinefelter;
  • Síndrome de Turner;
  • Síndrome de Down.

Também há evidências de que drogas de fertilidade baseadas em estrogênio, como o dietilestilbestrol, podem resultar no tamanho do pênis menor que o normal, se tomadas durante o início da gravidez.

Embora os poluentes ambientais sejam uma causa menos comum, algumas pesquisas sugerem que a exposição a pesticidas clorados durante a gravidez pode causar micropênis e outras anormalidades genitais em bebês do sexo masculino.

Como é o diagnóstico

Em recém-nascidos, é vital que o médico faça uma medição adequada do pênis do bebê ao diagnosticar o micropênis. Ao contrário de um comprimento do pênis flácido, em que o pênis é colocado paralelamente a uma régua, um comprimento do pênis alongado deve ser usado, pois se correlaciona mais estreitamente com a dita “normalidade”.

Para isso, o médico precisa segurar uma régua rígida firmemente contra o púbis em um ângulo reto. O pênis é então mantido nas laterais com pinças logo abaixo da glande (cabeça) e esticado até o seu comprimento máximo sem dor.

Novas ferramentas semelhantes a seringas que podem ser colocadas sobre o pênis e a sucção do órgão até seu comprimento totalmente esticado também estão disponíveis.

A identificação correta de um micropênis em bebês é crucial, pois oferece a oportunidade de um tratamento potencialmente eficaz. O médico também deve explorar as condições comumente associadas, incluindo problemas com a glândula pituitária ou o hipotálamo.

Tratamento para a condição

O tratamento do micropênis variará entre crianças e adultos. Dado que os genitais infantis ainda estão em desenvolvimento, o tratamento com testosterona pode apoiar o crescimento do pênis, muitas vezes de forma significativa.

Opções cirúrgicas, embora limitadas, podem ser exploradas em meninos e homens cujo pênis tenha atingido seu crescimento máximo.

Artigos Relacionados:

Terapia de testosterona

Um micropênis pode ser tratado em bebês e crianças com três injeções intramusculares mensais de testosterona.

Geralmente, um ou dois cursos de três injeções de testosterona (25 a 50 miligramas) dadas em intervalos de quatro semanas aumentam o tamanho do pênis para o intervalo de referência para sua idade.

Cirurgia de aumento do pênis

Alguns homens optam por se submeter à cirurgia de aumento do pênis (faloplastia) com vários graus de sucesso. Uma dessas operações, chamada de liberação do ligamento suspensor, envolve o descolamento do ligamento que sustenta o pênis durante uma ereção.

Ao fazer isso, o pênis fica em um ângulo obtuso, em vez de agudo, criando a percepção de maior comprimento. Os riscos potenciais incluem:

  • Danos nos nervos;
  • Perda da sensação peniana;
  • Disfunção erétil;
  • Retração do pênis se o tecido da cicatriz se desenvolver no local da incisão.

Outras formas de faloplastia, como a cirurgia de retalho (enxertando a pele de outra parte do corpo), são menos comumente adotadas, pois apresentam risco considerável de complicações e podem interferir na função sexual.

Outras técnicas, como implantes de silicone (próteses), preenchedores dérmicos sintéticos e injeções de gordura subcutânea, são mais propensas a aumentar a circunferência do que o comprimento do pênis.

Mesmo que ganhos de comprimento sejam alcançados, isso afetaria apenas o comprimento flácido, não o comprimento ereto, que permaneceria o mesmo. Ou seja, para o desempenho sexual não faria tanta diferença.

Há também bombas de pênis comercialmente comercializadas que não demonstraram resultados consistentes na obtenção de ganhos no comprimento do pênis. Se alcançados, eles tendem a ser modestos na melhor das hipóteses. Esses dispositivos são destinados a homens com disfunção erétil – uma preocupação totalmente separada.

Do ponto de vista prático, o micropênis pode complicar a micção, dificultando o direcionamento do fluxo. Muitos homens simplesmente compensam isso sentando-se no vaso sanitário ao urinar.

Em uma nota mais significativa, tamanhos de pênis de menos de duas polegadas estão associados a uma menor probabilidade de concepção.

Além disso, alguns homens terão uma baixa contagem de espermatozoides como resultado de um distúrbio hipofisário subjacente. Em tais casos, técnicas reprodutivas assistidas estão disponíveis para melhorar significativamente as chances de conceber.

Deixe seu comentário!